CAPA
capa

FOODTECH

Daqui há 30 anos, estima-se que a população atingirá 9 bilhões de pessoas. Será possível alimentar tanta gente? Segundo estimativa da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), este será um desafio. A produção de alimentos precisará crescer cerca de 70% até 2050 para acompanhar o crescimento da população mundial. Um desafio que envolve na cadeia do alimento a busca por meios de produção mais sustentáveis e conscientes.

Foi diante desta perspectiva que surgiu o Foodtech, que são companhias que utilizam as novas tecnologias para revolucionar o setor alimentício por meio de startups, a favor da construção de um novo mercado mais inteligente, saudável, sustentável, dinâmico e ágil.

As Foodtech já são uma realidade no mundo, inclusive no Brasil, embora poucos conheçam sobre o assunto. No Brasil, tem-se o Foodtech Movement, nele objetiva-se reunir os envolvidos em torno do assunto “A comida do futuro”. A maior parte dos Foodtech brasileiros está voltada para entrega e atendimento a um consumidor que deseja alimentos mais saudáveis e que não tem tempo de cozinhar e precisam comer rapidamente. Algumas empresas já adotaram esse conceito de inovação, um exemplo é o iFood. Por mais que ele não trate do consumo consciente de alimentos, revolucionou a forma de pedir comida.

Onde mais entraria o Foodtech se não em entregas de comida? Provável que algum dia já ouviu falar em alimentos e bebidas em cápsulas, ovo vegano, carne de laboratório, insetos e algas produzidos para alimentar humanos. Estas são produções tecnológicas já existentes consideradas tendências para o futuro.

Pensando nessa inovação tecnológica, uma startup latino-americana lançou a maionese sem ovos. A empresa utiliza a inteligência artificial para criar maionese, sorvete e leite de base vegetal, sem insumos animais, um apelo a sustentabilidade. Estes alimentos não são produzidos pensando apenas no público vegano, mas também como uma fonte alternativa de proteínas, além de atender o público com alergia ao leite, por exemplo.

Estes alimentos ainda possuem alto custo de produção, mas logo, poderão ser tornar uma realidade para todos daqui algum tempo. É importante todos estarem preparados para o que vamos encontrar com os alimentos do futuro, algumas coisas já estão por aí e muita gente não faz ideia do que existe.

 

 

Imagem 1. Movimento Foodtech no Brasil Fonte: https://www.foodtechmovement.com.br/

Imagem 1. Movimento Foodtech no Brasil

Fonte: https://www.foodtechmovement.com.br/

 

MAYO

Imagem 2. Produtos com base vegetal da startup latino-americana.

Fonte: NotCo – The Not Company

 

Referências:

https://foodsafetybrazil.org/food-tech-alimentos-do-futuro-parte-1/

https://www.foodtechmovement.com.br/